De China a Mesopotâmia: Os primeiros passos da aquicultura.

A aquicultura, ou cultivo de organismos aquáticos, tem suas raízes nas antigas civilizações da Ásia e do Oriente Médio. Esta prática evoluiu significativamente ao longo dos séculos, mas seus fundamentos foram estabelecidos há milhares de anos.

China: O berço da aquicultura moderna.

Os registros mais antigos de aquicultura vêm da China, por volta do ano 2000 a.C. Os antigos chineses não apenas cultivavam peixes, mas também desenvolveram técnicas avançadas como a policultura, que envolve criar diferentes espécies juntas no mesmo tanque. Esta prática melhora a eficiência e reduz a incidência de doenças ao aproveitar as diferentes dietas e comportamentos das espécies.

Uma figura chave na história da aquicultura chinesa é Fan Li, um estadista e estrategista que viveu durante o período de Primavera e Outono (722-481 a.C.). Ele escreveu o primeiro tratado sobre piscicultura, descrevendo métodos detalhados para criar carpas. Sua obra, “Fan Li sobre Piscicultura”, lançou as bases para as práticas modernas de aquicultura na China.

Mesopotâmia: Inovações iniciais.

Simultaneamente, na Mesopotâmia, a região entre os rios Tigre e Eufrates, também se desenvolveram práticas de aquicultura. Embora os registros específicos sejam escassos, sabe-se que os antigos sumérios e babilônios criaram tanques artificiais para armazenar e criar peixes. Esses tanques eram parte integrante de seus sistemas agrícolas, permitindo uma gestão eficiente da água e dos recursos alimentares.

Policultura e sustentabilidade.

Uma das razões pelas quais a aquicultura antiga foi tão bem-sucedida nessas regiões foi o foco na sustentabilidade e na integração com outros sistemas agrícolas. Na China, por exemplo, os agricultores combinavam a piscicultura com o cultivo de arroz, utilizando os tanques para criar peixes e fertilizar os campos simultaneamente. Esta prática não só melhorava a produtividade, mas também mantinha a saúde do ecossistema.

Legado e evolução.

As técnicas e conhecimentos desenvolvidos nessas civilizações antigas perduraram e evoluíram ao longo dos séculos. Hoje em dia, a aquicultura continua sendo uma parte vital da produção de alimentos em todo o mundo, com tecnologias avançadas que têm suas raízes nessas práticas ancestrais.

Os inícios remotos da aquicultura na Ásia e no Oriente Médio destacam a engenhosidade e a adaptabilidade das antigas civilizações. Através da inovação e da integração sustentável, lançaram as bases para as práticas modernas de aquicultura que continuam alimentando milhões de pessoas em todo o mundo.

  Plataforma internacional de insetos para alimento e forragem (IPIFF)